Blanchot, a experiência literária e o fim da história: as janelas abertas de uma geração (Blanchot, the literaty experience and the end of history: open doors of a generation)

Danichi Hausen Mizoguchi

Resumo


RESUMO

O presente artigo parte do célebre diagnóstico do fim da história – tese defendida por Francis Fukuyama logo após a queda do muro de Berlim. Inspirado em autores como Michel Foucault, Gilles Deleuze e Giorgio Agamben, situa-se sob o viés o qual defende que a maquinaria do capital – muito mais do que um sistema econômico – é produtora de subjetividade: em tramas de saber e poder operadas por dispositivos, dobra vidas a fim de construir modos de existência de modo cada vez mais minucioso e cotidiano. O que se insinua, pois, é a tese de Walter Benjamin: o capitalismo como religião - fabricando existências ininterruptamente a partir da disseminação incessante de dispositivos. O que se anunciaria no presente, pois, seria uma geração funcionária do fim da história – aquela que viveria fazendo acontecer aquilo que certa feita Italo Calvino chamou de inferno. A partir de tal diagnóstico, sob inspiração em Maurice Blanchot e Roberto Bolaño, a aposta é de que o que se opera em uma experiência literária pode fazer fraquejar as tramas dispositivas já prontas de um suposto fim da história – e seria justamente essa a tarefa política que faz vicejar a potência da arte: fazer valer o inacabamento do mundo e, portanto, a impossibilidade do fim da história.

PALAVRAS-CHAVE: Subjetividade. Dispositivos. Experiência literária.

ABSTRACT

This article starts from the famous diagnostic of the end of history - thesis defended  by Francis Fukuyama just after the fall of the Berlin Wall. Inspired by authors as Michel Foucault, Gilles Deleuze and Giorgio Agamben base their work on a perspective which holds that the machinery of capital - much more than an economic system - is the producer of subjectivity: in plots of knowing and power operated by devices, it duplicates lives in order to create ways of existence in a way more and more precise and in an everyday basis. What is insinuated in the idea then is the thesis of Walter Benjamin: capitalism as religion - manufacturing existences uninterruptedly starting from the unceasing dissemination of devices. In the presenta generation that works for the end of history would be announced - the one that would live making happen what in one occasion Italo Calvino called hell. From this diagnosis, -following Maurice Blanchot and Roberto Bolaño, the bet is that what is operated under literary experience can weaken the plot devices already ready from a supposed end of history - and this politic task would be in charge of making flourish the power of art: to enforce the unending of the world, therefore, the impossibility of the end of history.

KEYWORDS: Subjectivit. Devices. Literary experience.


Palavras-chave


Subjetividade. Dispositivos. Experiência literária.

Texto completo:

PDF


© Copyright 2005- Estudos da Língua(gem) - Todos os Direitos Reservados

Departamento de Estudos Linguísticos e Literários
Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
Estrada do Bem Querer, Km 04, - Caixa Postal 95
45083-900 - Vitória da Conquista - Bahia