As formas de tratamento nominais rapaz e cara no falar de Fortaleza – CE: um estudo variacionista (The forst of personal pronouns rapaz and cara in the speech of Fortaleza - CE: a variationist study)

Aluiza Alves de Araújo, Tatiane de Araújo Almeida Studart Guimarães, Maria Lidiane de Sousa Pereira

Resumo


RESUMO

Neste trabalho, investigamos a variação entre as formas de tratamento nominais rapaz e cara no falar de fortaleza – CE, sob os alicerces teórico-metodológicos da sociolinguística variacionista (LABOV, 1994, 2006, 2008; WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006). Nosso objetivo é analisar a atuação de fatores linguísticos e extralinguísticos sobre o uso, principalmente, da forma de tratamento rapaz. Para tanto, utilizamos uma amostra de linguagem falada composta por 53 informantes extraídos do banco de dados do Projeto Norma Oral do Português Popular de Fortaleza (NORPOFOR). De um total de 130 dados, vimos que o uso da variante rapaz (65,60%) prevalece sobre o uso da forma cara (35, 40%). De igual modo, verificamos que, na amostra de fala estudada, os fatores extralinguísticos que mais favorecem o uso da variante rapaz foram, nesta ordem decrescente de importância: escolaridade (falantes com 0-4 anos e 5-8 anos de escolaridade), sexo (masculino) e faixa etária (falantes com 26-49 anos) e, dentre os fatores linguísticos, a posição da forma em relação ao verbo (termo isolado) se apresentou como aliado da forma rapaz.

PALAVRAS-CHAVE:Formas de tratamento. Rapaz vs. Cara. Falar de Fortaleza. 

ABSTRACT

In this work, we investigate the variation between the personal pronouns rapaz and cara in the speech of Fortaleza - CE, in the light of the theory and methodology of the variationist sociolinguistics (LABOV, 1994, 2006, 2008; WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006. Our aim is to analyze the performance of linguistic and extralinguistic factores on the use, mainly, of the form of treatment rapaz. To do so, we use a sample of spoken speech composed by 53 informants  extracted from the  data bank of the Project Oral Norm of the Popular Portuguese of Fortaleza (NORPOFOR). Of a total of 130 samples, we've seen that the use of the variant rapaz (65,60%) prevails the use of the form cara (35,40%). In the same way, we verified that in the same of the analyzed speech, the extralinguistic factors that most supports the use of the variant rapaz were, from most to least important: education (people with 0-4 years and 5-8 years of education) sex (male) and age (people with 26-49 years) and, among the linguistic factors, the postion of the form in relation to the verb (isolated term) showed itself as an ally to the form rapaz.

KEYWORDS:Treatment forms. Rapaz vs. Cara. Fortaleza's Speech.

 


Palavras-chave


Formas de tratamento. Rapaz vs. Cara. Falar de Fortaleza.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22481/el.v15i2.3542

Direitos autorais 2017 Estudos da Língua(gem)

© Copyright 2005- Estudos da Língua(gem) - Todos os Direitos Reservados

Latindex   Sumários    Home